20 de fevereiro de 2015

Era fechá-los a todos em Évora

Quando passeio o cão costumo passar junto a uma casa em ruínas, diz que vai ser um museu ou coisa que o valha, isto a acreditar no cartaz que lá está há anos, cortesia da câmara de Cascais que deve seguramente estar à espera da fada madrinha ou algo do género para iniciar a obra. Junto à casa há um estacionamento (que, a julgar pela quantidade de pessoas que estaciona a ocupar dois lugares, deve ser o estacionamento mais complicado do mundo) onde várias pessoas, que vão deixar suas crias nas actividades lúdicas da sociedade recreativa, deixam os carros. Até aqui, tudo bem, nada contra, somos todos amigos. Agora, quando eu vejo um puto a sair de uma carrinha A4 e a atirar um pedaço de fruta meio comida para dentro da casa abandonada fico meio doente. Pior, a mãezinha ao lado e nada. No dia seguinte, enquanto passeava, vejo o mesmo carro. Fico atento quando vejo uma miúda a sair do carro e a ir depositar o lixo no contentor que se encontra a TRÊS metros do carro. Pensei que, vá lá, o mal é dos rapazes, enfim, o mundo não está perdido. Eis senão quando, no regresso, vejo o miúdo sair do carro, acompanhado da miúda e de um adulto, a receber da mão desse adulto um pedaço de fruta meio comida e a atirá-la novamente para dentro da casa, à frente do adulto, que, não contente, dá outro bocado de lixo à miúda que o atira também para dentro da casa em ruínas. Isto não era algo que eu esperava de alguém que até consegue acertar com a A4 dentro dos traços.

4 comentários:

Nuno Miranda Torres disse...

por momentos ainda achei que a história ia acabar contigo a pegar no pai, na mãe e nos filhos e a arremessá-los para dentro da casa em ruínas. fome não passavam que havia muita "meia" comida.

Ricardo disse...

Se eu fosse o Batman ainda pensava nisso.

Sophia disse...

fruta é biodegradável.

(estou a ler o pensamento dos tipos. sou quase quase como o batman)

Ricardo disse...

Biodegradável ou não é lixo. E o que a miúda atirou parecia-me ser uma embalagem de qualquer coisa.