25 de dezembro de 2013

Lisbon blues

Trabalhar no dia vinte e quatro já é bom o suficiente, não era preciso adicionar uma chuva torrencial e um bêbado violento, eu que nunca tinha chamado a polícia na minha vida, nem nunca pensei sequer em fazê-lo, vi-me obrigado a ligar perante o bêbado, senhor que falava inglês e português, descalço no dilúvio, descalço na vida, a querer comprar um isqueiro, nós não vendemos, ele a insistir, um colega a dizer que lhe emprestava o dele mas que não o dava nem vendia, ele a querer dar um euro pelo isqueiro, a colocar um euro em cima de uma lata de cerveja por abrir, nós a recusarmos, ele a deitar-se no chão, na carpete suja, a cruzar as pernas, os pés descalços a sorrirem para o balcão, os olhares cruzados a olhar para ele, um colega começou a mandá-lo embora, ele praguejava em inglês, contou-nos, one two three four five six, six guys, cocks, all cocks, you cocks, agora que penso nisso nem sequer éramos seis, éramos quatro, enquanto saía ameaçou  uma vez atirar a lata, saiu, deu um murro na montra, já no outro lado da estrada atirou uma garrafa, a má pontaria deu-lhe o destino de se estilhaçar no passeio, fica o susto e o aviso, chama a polícia chama a polícia, chamei, nem dois minutos depois lá estava, pararam o carro, falaram dois minutos com ele, disseram-nos ele diz que não chateia mais só quer um isqueiro, e nós oh foda-se isso já sabemos, e a polícia ele diz que não chateia mais vai ficar ali se chatear chamem-nos outra vez, e lá foram, e lá ele foi, e nós ficámos, descansados, a ver o rio que descia pela Garrett, até a água quer ir às compras aos armazéns, e os clientes a entrarem, ignorando a porta encostada, sinal de que por hoje já chega, ouvidos colados ao telefone, a dizerem coisas como ainda tenho dez minutos, claro, tens dez minutos, leva o teu tempo, quem está aqui há dez horas fica mais dez minutos, ainda temos uma loja para fechar, há pessoas à espera de alguns de nós, mas, deixa lá, leva lá os teus dez minutos, o natal é quando um homem quiser e o meu não era, definitivamente, ontem.

5 comentários:

Silent Man disse...

Então espero que tenhas tido um Natal descansado, assim que saíste do trabalho!

Grande abraço Natalício

Ricardo disse...

Eventualmente ficou descansado,

abraço!

M D Roque disse...

Sabes, escolho sempre férias no Natal, para poder trabalhar o dia 24 sossegada. Assim, se não estou a trabalhar, como me poderei aborrecer com o trabalho ? A verdade é que 24 de Dezembro é dia de 10 ou mais horas non-stop, e eu sou uma daquelas malucas que tiram férias para poderem ir trabalhar menos stressadas-
Bom 2014 Ricardo. Saúde e paz, que o resto vem por acréscimo. Beijinho da D.

jack disse...

e sacaste o nome do melhor álbum do ano para título do post, bem adequado =)

cheers mate!

Ricardo disse...

Dos melhores, sem dúvida!