18 de dezembro de 2013

2013 em livros

Reparo agora que dois terços foram de autores portugueses, o maior foi o Piada Infinita, o mais divertido o Festa no Covil, o que me tocou mais o Agora e Na Hora da Nossa Morte, o que me maravilhou mais foi o Memória de Elefante, o que me deixou a olhar para o infinito durante mais tempo foi o Servidões, venha dois mil e catorze.

6 comentários:

nAnonima disse...

o primeiro é «Como Uma Flor de Plástico na Montra de um Talho»
de Golgona Anghel? (a imagem é muito pequena para ler).

gostei muito desse livro. muito mesmo.

Ana A. disse...

Diga 33?

Ricardo disse...

Sim, é o da Golgona,
http://ruidosurdo.blogspot.pt/2013/06/como-chatear-acorianas-em-ainda-menos_1832.html


E sim, 33 :D

Portuguese Girl With American Dreams disse...

Gosto muito o teu blog. Não conhecia. Passa pelo meu, espero que gostes:)

Mak, o Mau disse...

O Foster Wallace trocou me as voltas e deixei-o a marinar para voltar a atacar em 2014. Intervalei com um Ondjaki, uma Munro (a decorrer) e tenho mais na fila, incluindo esse Omega. Que tal, pastoso ou flui?

Ricardo disse...

Flui lindamente, lê-se em dois ou três dias.