3 de julho de 2012

To eve the art of witchcraft

O elevador a chegar e eu a dar aquele último beijo enrolado num abraço, o elevador a parar e eu a virar a esquina do corredor, o passo a acelerar, um adeus que foi um até já, a porta abre-se e sai de lá um oh o teu pai onde está?, ali, onde?, ali, e o meu passo a parar, e os passos atrás de mim e eu a virar-me para trás, e ela mais magra, os trinta ficam-lhe bem, acabada de acordar, vestiste o macacão ao contrário, ela olha para baixo confusa, ahah és tão parvo, até parece que não me conheces, conheço, boas férias, meto os óculos e dou meia volta e saio, diz que há um cão e uma casa vazia à minha espera.

8 comentários:

ana disse...

“The Portuguese call it saudade: a longing for something so indefinite as to be indefinable. Love affairs, miseries of life, the way things were, people already dead, those who left and the ocean that tossed them on the shores of a different land - all things born of the soul that can only be felt.”

Ricardo disse...

Estes meus posts saem todos ao contrário.
Quem é que tem saudades de quem? :|

ana disse...

Tu da Catarina, ora :)

Ricardo disse...

Ah, bom, é que as pessoas tem tendência a fazer confusão.

ana disse...

É bastante claro para mim :)

Mam'Zelle Moustache disse...

Costuma-se dizer que uma mulher, quando se separa fica mais elegante e mais bonita. Pelos vistos, confere :)

Ricardo disse...

Mam'zelle, ela tem o seu namorado, e já esteve pior =P

Mam'Zelle Moustache disse...

Bem, se já tem namorado, em princípio, vai piorar outra vez. Até que se separe de novo e ficar maravilhosa, outra vez ;)