19 de setembro de 2014

Devia ser proibido

Os sites de venda de imóveis não terem a morada dos imóveis listados. Que não tenham fotografias do exterior ainda se deixa passar... Uma pessoa vê um imóvel que até agrada, perto de tudo e mais alguma coisa segundo os anunciantes, mas depois vai-se a ver e é por trás do sol posto atrás de um terreno baldio virado para uma lixeira. Tempo é uma coisa que não assiste a muita gente? E sabem o que acontece por os anúncios não terem a morada? Perde-se o tempo, o que, parecendo que não, é chato porque o tempo não volta. Nem o tempo, nem a paciência. Pior que isso, só gajos que pedem valores por metro quadrado na zona da Parede como se estivessem no Chiado. 

2 comentários:

bloganormalidade disse...

Se a ASAE fosse aos anúncios de imóveis como quem vai à cozinha de restaurantes, safavam-se para aí 20%.

A minha questão maior (e felizmente já passei essa fase e não prevejo que a vá passar de novo num futuro mais próximo), a par das que já avançaste é esta:

Isto não é como vender um tapete ou comprar um livro na Amazon. Não há margem para "Ah, correu mal, nós trocamos".

Os truques manhosos de não dizer o local, de ocultar se o prédio tem ou não elevador (apesar do 4º andar ter muito cachet e uma vista magnífica sobre a parte boa da Curraleira) e de mais 30 mil esquemas diferentes não só saturam o utilizador que faz pesquisa, como tornam o contacto directo com agentes imobiliários quase tão penoso como as chamadas dos operadores de telecomunicações que nos querem vender a promoção da nossa vida.

SMak

Ricardo disse...

No caso de estabelecimentos comerciais, os mesmos são sempre com áreas enormes e em zonas que mal se consegue andar tal o movimento de pessoas ávidas de gastar dinheiro...