31 de julho de 2012

Se eu não ficar perto

Porque é que a parte a partir do minuto 1:36 ainda me dá arrepios, todo este tempo depois, todos os sítios, todas as estradas mal iluminadas, comboios cheios, comboios vazios, recintos grandes, recintos pequenos, em cima do palco, na zé dos bois, no alive, no ccb, no dolce vita tejo, no ritz, para sempre no ritz, no carro com unhas laranja a puxarem-me a camisa, com uma cabeça no colo, com os olhos dela nos meus, saídas do carro mais demoradas do que seria suposto, esperas à porta do trabalho, silêncios que não se deviam prolongar e muito menos recordar, a primeira vez que ouvi, a primeira vez ao vivo, a primeira vez em vinil, no carro nas piores alturas, em casa nas melhores. Sempre, no fundo.


4 comentários:

Ted disse...

Talvez tu não saibas... Mas não és mais louco por Linda Martini do que eu! E já vem dos tempos do Olhos de Mongol!
Agora deste-me boas ideias... Vou ouvir os dois álbuns. Um a seguir ao outro! E trabalhar assim corre muito melhor, especialmente depois dos últimos dias, tão maus!

Abraço

Ricardo disse...

Não sabia, mas fico contente em saber que sou lido por gente de extremo bom gosto!

Ted disse...

Tou a ouvir a Estuque enquanto escrevo...

TÃO BOM!!!!

Parara-papa, parararara...

Ricardo disse...

:)

Muito bom.